//
you're reading...
Conforto

CONFORTO VISUAL

O conforto visual depende da claridade presente no campo visual.

Os edifícios são responsáveis por uma quantidade significativa de consumo de energia para iluminação, pelo que se deve previligiar a iluminação natural, em condições de conforto visual.

Para se planear o aproveitamento da luz natural, é preciso prever aberturas suficientes para aproveitar toda a claridade, e não apenas a luz do sol. Deve haver uma proporcionalidade entre a área das aberturas e a dimensão dos compartimentos.

No entanto, a iluminação natural deve ser cuidadosamente controlada para não elevar a carga térmica do ambiente e, com isso, aumentar o consumo de energia, através do uso de ventiladores e aparelhos de ar condicionado.

O vidro comum, embora pareça transparente, altera o espectro da luz solar, filtrando principalmente as radiações ultravioletas e parte das infravermelhas. Os chamados vidros de controle solar diminuem de modo considerável a transmissão de raios infravermelhos e, portanto, devem ser empregados em situações onde a área de envidraçado dos ambientes traga o risco de uma elevada carga térmica.

Vidros translúcidos diminuem a quantidade total de luz que entra, mas podem projectar a luz mais ao fundo dos ambientes. Existem materiais inovadores, vidros que permitem a entrada de luz sem que ocorra uma excessiva entrada de calor no ambiente.

As cores de pavimento e paredes utilizadas devem, se possível, ser de cores claras para permitir que a luz seja refletida e se incorpore à iluminação dos planos horizontais.

Ao iluminar objectos, deve ser encontrada uma posição para as luminárias de modo que a trajetória da luz nunca coincida com as direcção do olhar das pessoas que ocupam os espaços.

Para evitar o ofuscamento, as caixilharias e regiões de paredes internas adjacentes às janelas devem ser de cores claras, diminuindo o contraste.

A luz num determinado espaço é, sobretudo, um equlibrio entre as claridaes do mesmo. Se considerarmos a direcção da luz que incide nos objectos (luz difusa) sãoproduzidas sombras que acentuam ou não determinados relevos. Deve ser considerado este efeito na concepção de Arquitectura.

About these ads

About Portugal Glocal

Tornar-se parte do local que se visita, apreciar as esplanadas, conversar com quem ali vive, procurar entender as pessoas, os modos de viver, os espaços. Escolher os locais com que mais nos identificamos e passar lá horas. Conhecer a pé, de bicicleta, de comboio. Participar nas actividades locais, contribuir para o seu desenvolvimento. Portugal Glocal Portugal através das pessoas existentes em países, regiões, estados ou cidades falantes da língua portuguesa. Entre o 'local' e o 'global'

Discussão

Ainda sem comentários.

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: