//
you're reading...
Conforto

CONFORTO HIGROTÉRMICO

No processo de um edifício, existem três vectores a serem tomados em conta: o conforto, a saúde e o ambiente, que se relacionam entre si. Debruçar-nos-emos sobre o Conforto higrotérmico.

O conforto individual é afectado por factores climáticos influentes no ambiente interior do habitáculo e por outros directamente influenciados pelo seu habitante. Os primeiros dizem respeito à temperatura,  humidade e  movimentação do ar, ruído, luz   insolação,  odores, etc. Já em relação aos utentes do edifício, o seu bem estar físico e psíquico passa também pela sua actividade e o seu vestuário, o seu metabolismo, a idade e o sexo.

Olgyay (1) define o conforto como “uma sensação de bem-estar físico e psíquico” e o conforto térmico como sendo “o ponto em que o indivíduo despende a menor quantidade de energia para se adaptar ao seu ambiente”. Quanto a este último, sabemos que a sensação de bem-estar se refere à reacção à Temperatura e à Humidade Relativa do ar envolvente – Conforto higrotérmico.

O edifício deve ser desenhado de modo a reduzir a humidade, através do isolamento contínuo dos seus elementos construtivos exteriores. Este isolamento, apesar de impedir a admissão de água no interior, deve deixar o edifício “respirar” ao permitir a transmissão de vapor de água para o exterior. É através dos envidraçados que existe maior risco de ocorrerem trocas térmicas, e por isso, surge a necessidade de usar vidro duplo e caixilharia com corte térmico nas aberturas dos edifícios.

O edifício torna-se húmido com o admitir da humidade do ar exterior (através das janelas), com a evaporação gerada pelos ocupantes e com a variação súbita da temperatura interior que origina condensações superficiais (uma temperatura ascendente leva ao aumento da humidade).

O edifício torna-se quente através do calor metabólico dos seus ocupantes, do calor produzido pelas suas actividades, da radiação solar e irradiação terrestre (reflexão), da condução (emissão) de calor através dos seus elementos expostos a fontes caloríficas, da entrada de ar quente do exterior, da convecção formada pelo movimento do ar quente em substituição do frio, da capacidade térmica (faculdade para armazenar calorias) dos materiais da envolvente construtiva.

Assim sendo, num ambiente frio, o corpo perde calor rapidamente enquanto que, quando quente, o perde com excessiva lentidão. Se o ambiente está demasiado húmido, a evaporação da pele é lenta e incómoda. Se demasiado seco, a pele e as superfícies respiratórias secam facilmente. Por isso, e de modo a que estes dois parâmetros se encontrem regulados dentro de um edifício, há que considerar também a radiação térmica e consequente condução e a movimentação de ar (por convecção e ventilação) como potenciais reacções  pois, independentemente de existir sistema de climatização, um edifício desempenha um papel importante ao modificar e “trabalhar” com estes parâmetros climáticos.

Deste modo, o edifício deve ser desenhado de modo a reduzir a humidade (h) interior, exclui a h do terreno e a h da precipitação, através do isolamento contínuo dos seus elementos construtivos exteriores. Este isolamento, apesar de impedir a admissão de água no interior, deve deixar o edifício “respirar” ao permitir a transmissão de vapor de água para o exterior. Este isolamento serve também para conter oscilações acentuadas de temperatura no interior, pois forma uma camada protectora em relação às temperaturas exteriores.

Importa salientar que é através dos envidraçados que existe maior risco de ocorrerem trocas térmicas, e por isso, surge a necessidade de usar vidro duplo e caixilharia com corte térmico nas aberturas dos edifícios. E, dado o elevado número de horas solares no nosso país, os vãos devem ser também protegidos exteriormente.

About these ads

About Portugal Glocal

Tornar-se parte do local que se visita, apreciar as esplanadas, conversar com quem ali vive, procurar entender as pessoas, os modos de viver, os espaços. Escolher os locais com que mais nos identificamos e passar lá horas. Conhecer a pé, de bicicleta, de comboio. Participar nas actividades locais, contribuir para o seu desenvolvimento. Portugal Glocal Portugal através das pessoas existentes em países, regiões, estados ou cidades falantes da língua portuguesa. Entre o 'local' e o 'global'

Discussão

2 thoughts on “CONFORTO HIGROTÉRMICO

  1. aff… to no 3° semestre d engenharia civil e tenho materiais d contruçao 1, nossa esse foi o unico site q eu axei q explica d maneira facil o que é conforto higrotermico…

    Posted by jenifeer | Março 21, 2011, 7:26 pm
  2. Boa esplicacao sobre conforto higrotermico, normalmente só se fala de conforto termico e ar condicionado mas nao relacionam temperatura e humidade.

    Posted by Anónimo | Fevereiro 22, 2014, 12:50 am

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: